Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anos 90etal

Ideias, visões, pensamentos, vivências de alguém nascido nos 90's

Anos 90etal

Ideias, visões, pensamentos, vivências de alguém nascido nos 90's

31.10.19

Medo de Quê?

Matias

Todos temos algum!

Hoje é Dia das Bruxas, aka Halloween. Em Portugal é mais uma desculpa para incentivar o comércio e ao contrário de países como nos Estados Unidos, tem pouco de histórico ou mesmo de fantástico. Não seja por isso que não penduramos aquela aranha da praxe no candeeiro da sala!

Falando de sustos... No meu caso, pode-se dizer que sou um cagarolas. A verdade é que é assim mesmo, não há outro adjetivo para o descrever! Ca-ga-ro-las...

Tirando aqueles medos óbvios, tenho alguns outros não tão óbvios.
Tenho medo do escuro, mas não sempre. Estranho? Sim. É quando o meu cérebro se põe com imaginações (nomeadamente espíritos e coisas desse género) e nesses casos corro ou começo a cantar... Enfim, sou eu!

Tenho medo das alturas. Tenho vertigens mesmo. Já fui duas vezes ao Aquashow (parque aquático no Algarve) e não andei na maioria das atrações. Acabo por me divertir a ver os meus amigos. E que amigos! Eles incentivam-me a ir com eles e a participar, mas depois reparam que não consigo mesmo e não dão gozo nem pressionam a ir.

Só não tenho vertigens quando ando de avião... aqui, o medo é outro... tenho medo de andar de avião. Estranho? Não sei. Este ano já andei umas oito vezes e dessas oito vezes tive medo... só descanso quando o avião aterra, embora tente parecer descontraído, por dentro tenho o estômago abraço ao intestino e a dar as mãos aos pulmões.

Tenho medo de quase tudo o que possa aleijar. Isto é, o meu corpo/cérebro sabe que algo é potencialmente perigoso e isso constringe-me no sentido de querer fazer certas coisas. Por exemplo, mexer num forno quente ou simplesmente ir levar uma vacina.

Sem filtros, sou assim... sem vergonha de dizer. E vocês, têm medo de quê?

 

30.10.19

Uma Melhor Sociedade

Matias

Pois aqui vai!

Prometi à Mariana que escreveria um post sobre os meus pensamentos após ter visto o filme Gimini. Isto após conversa num post feito por ela sobre o filme Joker.

E sim! Hoje fui ver o Joker... Sim... Só fui hoje! Não fui a correr ver o filme, tipo as ovelhas que seguem o rebanho. Não gosto disso. Parece que as pessoas perdem identidade quando vão atrás umas das outras ou atrás de algo. Sai uma camisola da moda e parece que só existe aquela, todos andam vestido com uma igual!

Primeiro o Gimini. Enquanto estavam 150 pessoas na sala para ver o Joker, eu pude ir ver o Gimini sossegadinho da vida. Meia dúzia de gatos pingados! Este filme, para quem gosta de ação é um bom filme. Para não falar do ator Will Smith, que não falha e se porta sempre bem. É um filme que aborda um tema que poderá estar na calha num futuro muito próximo - manipulação genética e evolução humana. Contudo guardei uma quote que me ficou na cabeça... foi nas partes em que bebiam e brindavam dizendo:

- "Brindamos à Guerra... que é nenhuma Guerra".

Esta expressão fez-me pensar em como é bom vivermos sem guerras. Temos liberdade! Sai da sala de cinema em direção aos corredores do shopping olhando à minha volta e a pensar que num país em guerra nada daquilo existiria. Não poderíamos caminhar em paz! Alguma vez pararam para pôr algo do género em primeiro plano? A vossa liberdade?! Tudo aquilo que podemos fazer e dizer e que não dá-mos valor. Hoje em dia, estamos cada vez mais inconformados com tudo, porque já nada nos agrada... quanto mais temos, mais queremos... mais e melhor, quando aquilo que temos, já é tão bom! Liberdade... vida sem Guerra.

Quanto ao Joker e ao seu fenómeno...

Bem! Não percebo. O filme realmente é penetrante e a representação feita por Joaquin Phoenix é de alto nível. A história é a origem de um dos mais famosos vilões da Banda Desenhada. A questão é que as pessoas são levadas a por-se no lugar da personagem principal e a viver quase em uníssono toda aquela loucura existente. Somos até levados a ter pena dele! No final, o Joker é aclamado pelos seus "palhaços seguidores"... Sinceramente? Não vejo grande diferença entre ele e por exemplo Hitler. São tão ou mais loucos os que os seguem do que eles mesmos com as suas convicções! Seguiram alguém pela sua loucura, lutando por uma causa errada. Estranhamente, ambos tiveram seguidores. O Joker mata por se sentir excluído da sociedade... enlouquece... perde o rumo! Não são motivos que justifiquem... mas é algo que pode acontecer a qualquer um de nós e isso é que nos faz ter respeito pelo filme. 

Mas vá lá... tentemos ser mais educados, mais amigos do próximo, mais respeitadores sim? Já será um pequeno passo para uma melhor sociedade.

25.10.19

Entretanto... Viana!

Matias

20191023_171709.jpg

A cidade que amas... A cidade onde realmente sentes que a ela pertences! 

Cidade do mar, da montanha e do ar... do ar que se respira e me faz viver. 

Cidade que me acolheu e que agora acolho em mim. Felizmente no meu País! 

Cada traço de arquitetura, cada pedra dos caminhos, cada pedaço de vento que nela corre... 

Tu és de onde te sentires bem! Sendo assim, sou daqui. Entretanto... Viana!

24.10.19

Assim Está Bem

Matias

Alguma esperança!

Ontem, tudo no mesmo sítio e num espaço de duas horas.

Eram seis árabes e mais tarde dez... era uma senhora sul americana e mais uns cinco portugueses. 

Entrou uma senhora com carrinho de bébe, que entretanto teve de sair e voltaria mais tarde... nisto a senhora sul americana foi abrir a porta à senhora para passar com o carrinho. Como não conseguia, foi lá um dos árabes ajudar e abriu. 

Já mais tarde, a senhora com o bébe voltara... foi de pronto atendida, passando à nossa frente. Ninguém reclamou o facto nem rangeu os dentes. Estava no seu direito! Durante a consulta da senhora, o bébe não parava de chorar. Vaio então o médico à sala de espera perguntar se alguém segurava na criança. Foi então a senhora sul americana a correr, pois já tinha sido mãe de duas! Juntou-se a uma das senhoras portuguesas, pois eram conhecidas do trabalho... cheirou mal... vinha do rabiosque da bébe... as duas correram para lhe mudar a fralda!

Pouco depois, chegou uma senhora acompanhada do seu filho (já muito adulto e com problemas mentais). Ele sentou-se ao meu lado... a mãe tratava-o com muito carinho e estava a falar com a senhora da recepção. Eu pensei, quando acabarem de falar ofereço-lhe o meu lugar para se sentar ao pé do filho... mas já fui tarde! Uma outra senhora, não esperou pelo fim da conversa e antecipou-se a mim.

Todos ajudaram, de certa forma, a que o dia de alguém, mesmo que sem se conhecerem, corresse melhor.  Não nos deixemos enganar/influenciar pelo aspeto dos outros. Muitas vezes as boas ações vem de quem menos esperamos. Assim está bem!

22.10.19

Confirmam a Tese?

Matias

Menos uma!

De vez em quando reparo no comportamento das pessoas à minha volta, qual estudo social e, reparei em algo que acontece com bastante frequencia. 

Neste caso, estando eu nos ultimos tempos pela zona da restauração de um shopping, posso dizer que numa percentagem muito próxima dos cem, quando um elemento do sexo masculino sai do balcão de atendimento e se vira com o seu tabuleiro (contedo nele batatas fritas) em direção a uma mesa e, havendo um elemento familiar do sexo feminino por perto, uma ou mais batatas desaparecem instantaneamente.

Confirmam a Tese?

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D